Os KPIs e os KRIs na gestão educacional

If one does not know to which port one is sailing, no wind is favorable.

Seneca

 

Quando uma estratégia é criada, métricas são necessárias para que se comprove se as ações tomadas estão em linha com o desenvolvimento e surgimento dos resultados. A estratégia pode ter um cunho disruptivo, ou seja, calcado na inovação, ou mesmo em uma maior eficiência das operações, que visem agregar mais valor ao cliente final. Portanto:

KPIs: No inglês, Key Performance indicators, são as métricas (medição) que evidenciam se a as práticas que levarão ao resultado estão no caminho certo.

KRIs: Key Result Indicators, nos mostra se os resultados almejados estão como planejados ou não.

Estratégias de gestão no setor educacional

Há várias estratégias que podem ser utilizadas no setor educacional. Uma das que mais aprecio é a da excelência na entrega dos serviços educacionais. Essa estratégia coloca o aluno em foco, garantindo que ele terá todas as ferramentas e oportunidades para a efetiva aprendizagem. Agrega valor ao serviço educacional fazendo com que a relação custo benefício fique mais positiva para o cliente final, o aluno. Assegura que a função da educação será exercida em sua plenitude que é dar ao cliente final a oportunidade de aprender com o suporte profissional da instituição de ensino. Na minha visão, é levar a sério o papel da educação como força catalizadora de inovação, oportunidades e qualidade de vida. A instituição solidifica seu espaço no mercado e sua função social e como consequência colhe uma receita positiva, tanto no curto, médio e longo prazo.

A excelência nos serviços educacionais diminui a evasão de estudantes e aumenta significativamente a propaganda boca-a-boca. Em suma, o aluno recebe qualidade dos serviços educacionais prestados enquanto que a instituição de ensino garante receitas que a possibilitem ter o seu lugar no mercado assegurado. Nessa lógica, usando o exemplo da excelência no ensino teremos, por exemplo:

KPIs: Índices de qualidade do ensino, pesquisa de satisfação dos alunos, tendência de retenção, índices educacionais de aprendizagem, entre outros.

KRIs: Índices de retenção de alunos, percentual de propaganda boca a boca, crescimento de receita ligada a novos alunos, entre outros.

Porém, feito isso, algo que não pode ser ignorada são as ferramentas que irão gerar os KPIs e KRIs. Uma ferramenta que não esteja à altura produzirá efeitos contrários aos desejados. Afinal, pior que não ter dados, é ter dados equivocados.

Qual é a relação entre indicadores e  sucesso na gestão?

A gestão educacional quando pautada por métricas de nível KPIs e KRIs tende a ser mais eficiente e bem sucedida. Acompanhar a performance das ações empregadas e a geração dos resultados almejados é fundamental para que desvios sejam encontrados e corrigidos, para que a estratégia ganhe vida na prática e produza os resultados esperados. Sem métricas inteligentes e ferramentas que as identifiquem e apontem soluções, a gestão educacional tende a se pautar no empirismo (achismo) do que deu certo e errado.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *